Amigos e parentes se despedem de ciclista atropelado na Asa Norte

Um clima de comoção tomou conta do velório do ciclista Raul Aragão, 23 anos, na manhã desta segunda-feira (23/10), na Capela 5 do Cemitério Campo da Esperança, Asa Sul. Familiares e amigos prestaram as últimas homenagens ao rapaz, que morreu no domingo (22) após ser atropelado na L2 Norte, um dia antes.

Muitos fizeram questão de chegar ao velório de bicicleta. Eles vestiram nariz de palhaço para chamar a atenção sobre os desafios enfrentados pelos ciclistas no dia a dia. Principalmente no que diz respeito à falta de faixas exclusivas.

Pai de Raul, Helder Luís Rocha avalia o acidente como uma fatalidade e afirma que as vias de Brasília favorecem os motoristas de carro. “Nós conversávamos muito sobre a divisão de carros e bicicletas, desde que o ensinei, na infância. Eu o empurrei quando estava aprendendo a andar na primeira bicicleta sem rodinhas”, relembra.

Raul era voluntário da Rodas da Paz. Ele foi atropelado por um carro na Asa Norte no sábado (21), quando voltava do Restaurante Universitário da Universidade de Brasília (UnB). O anúncio da morte foi dado na página oficial da ONG no Facebook. O corpo de jovem será cremado em Valparaíso (GO).

O motorista, com certeza, está passando por um momento difícil, precisa de conforto. O que houve foi uma fatalidade, mas o ciclista tem muitos desafios porque precisa dividir espaço com os carros”
Helder Luís Rocha, pai de Raul
Muito emocionada, a mãe de Raul, Renata Aragão, disse que o filho deixou um legado de “coragem, alegria e energia.” E mandou um recado aos motoristas: “Corram menos, pois devagar se chega longe”.

No momento em que o corpo de Raul deixava a capela, cicloativistas usaram as seguintes palavras de ordem: “Mais adrenalina, menos gasolina. Mais tesão, menos combustão. Mais bicicletas, menos carros!”

O presidente da Câmara Legislativa do Distrito Federal, deputado Joe Valle (PDT), compareceu ao velório. Ele afirmou que Raul, assim como outros cicloativistas, participavam de debates na Casa sobre os principais problemas no trânsito da capital da República. “A principal dificuldade é o excesso de velocidade. Trabalhamos para reduzi-la. Inclusive, temos conversado com o Detran”, ressaltou.

Raul liderava o Bicicletada, passeio ciclístico que ocorria na última sexta-feira de cada mês.
Site: Veja mais em metropoles.com

Saidão: nove presos não retornam ao Sistema Penitenciário do DF

A permissão para a saída temporária de mais de mil detentos teve fim na segunda-feira (16/10)

23/10/2015. Crédito: Ed Alves/CB/D.A Press. Brasil. Brasília – DF. Presidio da Papuda, em São Sebastião.

postado em 18/10/2017 12:47 / atualizado em 18/10/2017 14:49
Deborah Novais – Especial para o Correio
Ed Alves/CB/D.A Press

Nove detentos, de um total de 1.005, não voltaram ao Sistema Penitenciário do Distrito Federal após o saidão de outubro. As informações são da Secretaria de Segurança e Paz Social. Quando retornarem, os sentenciados deverão responder a inquérito disciplinar, além de haver a possibilidade de perda do direito ao regime semiaberto.

Ao todo, 1.005 presos receberam liberação na ação que começou em 11 de outubro, com retorno marcado para a última segunda-feira (16/10), às 10h. A princípio, a Secretaria de Segurança informou que 1.031 sentenciados ganhariam o benefício. O direito é concedido aos detentos que cumprem pena em regime semiaberto e tenham recebido autorização para saídas temporárias ou trabalho externo.

A saída temporária é prevista na Portaria nº 6, de 2001, de 15 de março de 2001 (alterada pela Portaria nº 12, de 2001, de 26 de maio de 2001), caso os detentos tenham gozado do benefício, nos últimos seis meses, sem interrupções e ocorrências.

Esse foi o sétimo saidão do ano. No último, que ocorreu em setembro, 12 sentenciados não retornaram na data estabelecida. Os outros ocorreram na Páscoa, no Dia das Mães, em junho, em julho e no Dia dos Pais.
Fonte:www.correiobraziliense.com.br

Primo de Ana Íris confessa ter estuprado jovem antes de assassinato


Ana Íris, 12 anos, desapareceu em 10 de setembro
A Polícia Civil do Distrito Federal confirmou que o primo de Ana Íris, 12 anos, confessou a prática do estupro, seguido de homicídio por esganadura da adolescente. O jovem já havia confirmado a autoria do crime. A Delegacia da Criança e do Adolescente II (DCA II) representou a denúncia e a Justiça deferiu o pedido de internação provisória contra o menor infrator.

Segundo o delegado-chefe da DCA II, Juvenal Campos, o adolescente estava internado em um hospital em razão das agressões e lesões que sofreu no último dia 26, quando a menina foi encontrada morta. Ele foi agredido por moradores da região que já suspeitavam da participação do menino no homicídio.

Após os últimos exames, ele teve alta na manhã da última quinta-feira (28/9). O adolescente declarou que a motivação do assassinato seria para ocultar o estupro. Tudo teria ocorrido em 10 de setembro. Após matar a vítima, ele teria arrastado o corpo por cerca de dez metros.

Ele foi apreendido pelos ato Infracionais análogos aos crimes de homicídio, ocultação de cadáver e estupro de vulnerável, pelo período inicial de 45 dias. Após os procedimentos legais, o adolescente foi levado para internação no Núcleo de Atendimento Integrado (NAI).

Além de escassa, água no DF é cada vez mais impura, aponta análise

www.correiobraziliense.com.br
Além de escassa, água no DF é cada vez mais impura, aponta análise

Os principais inimigos são a grilagem de terra e os loteamentos urbanos próximos a nascentes, córregos e reservatórios

compartilhar: Facebook Google+ Twitter

Crédito: Tony Winston/Agência Brasília. Reservatório de Santa Maria / Parque Nacional.ppostado em 29/09/2017 06:00 / atualizado em 29/09/2017 10:19
Pedro Grigori – Especial para o Correio
Tony Winston/Agência BrasíliaNo Parque Nacional de Brasília, captações do manancial de Santa Maria têm o melhor índice de qualidade do DF

Localizada no centro do Brasil, a água que deixa as nascentes brasilienses abastece algumas das principais bacias hidrográficas do país. O recurso, que surge cristalino ao deixar a fonte, perde a pureza ao seguir o curso d’água e, hoje, devido, principalmente, à ocupação desordenada, chega aos córregos com qualidade cada vez pior. No Distrito Federal, estudo da Companhia de Saneamento Ambiental do DF (Caesb) analisou os 23 mananciais superficiais utilizados para abastecimento hídrico e identificou que a proximidade com áreas de parcelamento irregular do solo e com loteamentos urbanos resulta na queda no Índice de Qualidade da Água (IQA). O ribeirão do Engenho das Lajes, próximo ao Gama, faz parte da Bacia do Descoberto, e apresentou o pior número. Além do prejuízo ao meio ambiente, a poluição significa aumento no custo do tratamento.

Leia mais notícias em Cidades

Nesta semana, com o fim da estiagem, a qualidade desses córregos tende a cair ainda mais. Isso ocorre porque o vento e a chuva carregam as mais diversas impurezas para os rios. Exemplo prático disso ocorreu em dezembro de 2009, quando o vazamento de um material tóxico utilizado na pavimentação de asfalto na BR-060 atingiu o ribeirão, interrompendo a captação por mais de três meses e causando falta de água na região.

A Caesb avalia a qualidade dos recursos e, por meio de um cálculo relacionado às variáveis pH, cor, turbidez, ferro total, nitrogênio amoniacal, carbono total, cloretos e coliformes totais, classifica o IQA de cada local. O índice varia entre 0 (totalmente imprópria) a 100 (ótima). Engenho das Lajes registrou 61. Nenhuma das 23 captações do DF foi avaliada como ótima (veja quadro).

16/03/2017. Crédito: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press. Brasil. Brasília – DF. Captação irregular de água das nascentes do Rio Descoberto. Cano e caixa dágua

Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press
Caixas d’água e canos captam água diretamente de uma nascente na Área de Preservação (APP) do Descoberto.

Segundo o gerente de Gestão Ambiental Corporativa da Caesb, Vladimir Puntel, a ocupação urbana em áreas de bacias hidrográficas pode ser determinante para a queda na qualidade de um manancial. “Em Engenho das Lajes, há diversas propriedades agrícolas que contribuem, em função dos usos e atividades desenvolvidas, para que o IQA tenha valores tão baixos. Estradas vicinais sem o devido controle do escoamento de águas pluviais também contribuem significativamente para essa situação”, alerta.

O professor do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental da Universidade de Brasília (UnB) Sérgio Koide conta que uma das causas da poluição da água é o sedimento gerado pelas construções. “Quando você tem obras na cidade, você gera lixo e entulho, levados pelo vento ou pelas chuvas para os córregos. Ocorrem também muitos problemas com infiltrações de esgoto, o que faz aparecer coliformes fecais”, explica o especialista em recursos hídricos.

O professor ainda alerta sobre a qualidade final do recurso. “O tratamento feito hoje pela Caesb é considerado muito bom, um exemplo para outras unidades da Federação. Mas ter água bruta em pior qualidade, além de gerar mais custos, significa que, independentemente dos processos de tratamento, o resultado não será tão bom quanto o de um manancial preservado”, esclarece.

16/03/2017. Crédito: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press. Brasil. Brasília – DF. Captação irregular de água das nascentes do Rio Descoberto. Cano e caixa dágua

Reservatórios

O Rio Descoberto também apresentou um número de alerta: 69,2. Em março, o Correio mostrou invasões de luxo erguidas em cima das nascentes que abastecem o principal reservatório do DF. Seis meses depois, as edificações continuam de pé. Santa Maria mostrou o cenário ideal. Localizado dentro do Parque Nacional de Brasília, o reservatório registrou o melhor índice: 82,3. A Caesb não tem cálculos que mostrem a diferença financeira entre tratar a água do Santa Maria comparada com a do Descoberto.

Sérgio Koide lembra que, na construção de Brasília, os engenheiros fizeram um estudo de captação de água, construíram o reservatório de Santa Maria e criaram um parque ao redor para proteger as nascentes. “Santa Maria é o quadro ideal. Algo impossível de acontecer no Descoberto, que, como o próprio nome diz, não é coberto. Na criação da capital, ele foi designado para a produção de hortifrútis e para abastecer as chácaras agrícolas da capital. Porém, com o crescimento urbano, começou a ser utilizado para abastecimento do DF, mas aí o parcelamento de terra havia dominado as margens da bacia”, lamenta.

O levantamento da Caesb não avaliou a qualidade da água das captações do Lago Paranoá e do Bananal, previstas para serem inauguradas no próximo mês. Segundo Ricardo Moreira, gerente do Laboratório Central da Caesb, os dados estarão no estudo do próximo ano. “O relatório permite a comparação entre diferentes mananciais, a avaliação de possíveis tendências ao longo do tempo e de possíveis alterações da qualidade da água decorrentes de contaminação ou de melhorias promovidas na bacia de drenagem, por exemplo”, detalha.

Tendo em vista os prejuízos financeiros e ambientais, a Caesb informou que realiza monitoramento permanente nas Áreas de Proteção de Mananciais, além de realizar pelo menos cinco programas de conscientização e proteção de nascentes.

ARTIGO

Sabedoria natural
Por Eugênio Giovenardi, escritor e ecossociólogo

“Nos dias atuais, a colheita da água para uso da espécie humana não é feita na fonte cristalina. É do meio do rio que tiramos a água ou das represas. As formas de manter a boa qualidade da água que brota pura da nascente são variadas.

Mas, entre todas, por hábitos culturais da civilização moderna, confia-se na limpeza da água por processos químicos.

A ocupação da terra, seja pela expansão urbana, seja pela atividade produtiva, agrícola ou industrial, seja pelo tráfego intenso de automóveis, seja pelo lixo a céu aberto afeta a qualidade da água.

A inumerável variedade de dejetos líquidos e sólidos chega direta ou indiretamente aos córregos, rios e lagos.

As formas mais simples e menos onerosas para manter a qualidade da água foram ensinadas por gregos e romanos há milênios. Os aquedutos romanos colhiam as águas que jorravam das rochas para uso da população. Água limpa garante a saúde de todos.

O respeito à vegetação nativa, ao redor das nascentes e nos cursos d’água, pequenos ou grandes, é a forma natural de preservar a qualidade da água. A ênfase necessária que se está dando ao enquadramento dos cursos de água superficiais, da menos poluída à mais imprópria, revela, em diferentes regiões, o grau de ignorância e descuido do homo sapiens na forma de ocupação do solo e no uso inadequado das águas. Perdeu-se a sabedoria natural e instintiva de servir-se diretamente da fonte.

Uma das consequências é, necessariamente, o custo crescente das tecnologias usadas pelos órgãos públicos para manter a qualidade desejável da água oferecida gratuitamente pela natureza a todos os seres vivos. Pagamos caro o que poderíamos ter de graça.

Nossas torneiras, no DF, recebem quase 1 bilhão de litros de água tratada por dia e nos damos ao luxo de despejá-lo sujo nos córregos e nos lagos de onde a tiramos para beber, cozinhar e nos lavar.”

Homem é preso por sequestrar e matar menina de 6 anos no Paraná


Conhecido da família ele confessou o crime e foi transferido para outra prisão, porque populares invadiram o local para “fazer justiça”

Um homem de 30 anos foi preso na noite desta quarta-feira (27/9) por sequestrar e matar a menina Tabata Fabiana Crespilho da Rosa, de 6 anos, em Umuarama, no oeste do Paraná. Eduardo Leonildo da Silva confessou o crime, segundo a Polícia Civil do município. Ele é um conhecido da família da criança.

Tabata estava desaparecida desde a última terça-feira (26) quando foi deixada próximo à escola onde estudava pelo irmão de 13 anos, como acontecia todos os dias. Imagens de câmeras de segurança revelaram que ela foi abordada por Eduardo, que dirigia um veículo Gol, entrou no carro e foi levada por ele. Os detalhes sobre o crime ainda não foram divulgados pela polícia, mas o corpo da menina já foi localizado. Existe a suspeita de abuso sexual, não confirmada até o momento.

Moradores da cidade invadiram a delegacia para protestar após a prisão do homem. Alguns quebraram uma porta de vidro e depredaram carros no local. Por segurança, o preso foi transferido para outra unidade. Outros presos detidos na delegacia aproveitaram o protesto para dar início da uma rebelião. Os policiais ainda trabalhavam para tentar controlar a situação na manhã desta quinta.
Site: www.metrópoles.com.br

Mutirão de vasectomia é realizado pelo HUB e pela Secretaria de Saúde

Objetivo é atender 50 pacientes até a sexta-feira (22/9). Beneficiados são moradores de Itapuã, Paranoá e São Sebastião que estão na fila de espera

compartilhar: Facebook Google+ Twitter
http://app2.correiobraziliense.com.br/access/noticia_127983242361/627773/63/eq.gif
postado em 21/09/2017 12:05 / atualizado em 21/09/2017 12:30
Correio Braziliense
Carlos Moura/CB/D.A Press

Para reduzir a espera pela vasectomia, procedimento cirúrgico de esterilização masculina, o Hospital Universitário de Brasília (HUB) e a Secretaria de Saúde do Distrito Federal se uniram para, até sexta-feira (22/9), realizar o procedimento em 50 pacientes da Região Leste de Saúde: Itapuã, Paranoá e São Sebastião. A fila de espera, atualmente, conta com 147 homens.

O paciente atendido no mutirão sai do hospital com o espermograma agendado para daqui a dois meses. O exame, realizado no HUB, confirma o resultado da vasectomia. Além disso, ele recebe todas as orientações para agendar o retorno com um urologista, que passará a acompanhá-lo periodicamente ou o encaminhará ao Programa Saúde da Família, na própria Região Leste.

20 profissionais

O HUB organizou toda a estrutura necessária para atender à demanda. São três salas de cirurgia ambulatorial disponíveis e pelo menos 20 profissionais envolvidos, entre técnicos de enfermagem, enfermeiros, médicos do HUB e do Hospital da Região Leste (HRL), estudantes de graduação e médicos residentes.O projeto visa a organizar um fluxo de atendimento que permita ao paciente ter suas necessidades atendidas em qualquer nível de complexidade assistencial, o que pressupõe um trabalho de regulação interna e de regulação entre as instituições.

O urologista e chefe da Unidade de Transplantes do HUB, Rômulo Maroccolo, explica que a intervenção é simples e rápida, ao contrário da laqueadura, procedimento de esterilização da mulher que exige mais tempo de recuperação e está sujeito a mais riscos. Com anestesia local, a vasectomia é realizada em aproximadamente 30 minutos, e o paciente tem alta em seguida.

Com informações Hospital Universitário de Brasília (HUB)

DESAFIOS DA EDUCAÇÃO

Esse debate se propõem a fazer uma reflexão sobre os Desafios da Educação, com foco na Educação Básica, profissionalizante e no processo de formação dos gestores.

Palestrantes.

– Professor Mozart Neves – Foi Reitor da Universidade Federal de Pernambuco , Presidente Executivo do Movimento “Todos pela Educação” e atualmente é diretor de articulação e inovação do Instituto Ayrton Senna. Atua na área de Políticas Públicas para a Educação.

Helena Neiva – representante da Conspiração Mineira pela Educação.
Moderador: Jornalista Estevão Damázio.
Data: 14 de setembro às 20 horas.
Local: Auditório da Câmara Legislativa do DF.
Obs: O acesso à garagem será liberado

Vencimento de vacinas contra HPV faz Ministério da Saúde ampliar campanha

19/03/2015. Crédito: Gabriel Jabur/Agência Brasília. Brasil. Brasília – DF. A campanha para a vacinação contra o HPV começou no último dia 3 de março mas até o momento, poucas crianças foram imunizadas.

O Ministério da Saúde ampliou o prazo de vacinação contra o papiloma vírus humano (HPV), para homens e mulheres entre 15 e 26 anos. Agora, quem quiser se proteger do vírus tem até março de 2018. Inicialmente, o período acabaria este mês, mas alguns estoques venceriam no terceiro mês do ano que vem. O governo federal alterou o calendário para evitar o desperdício de doses com vencimento para o primeiro trimestre do próximo ano. Contudo, o DF não prorrogou o imunização.

Segundo a Secretaria de Saúde, a capital não tem vacinas com vencimento em 2018. “Todo o estoque tem vencimento em 2019. Por esse motivo, o DF não ampliará a vacinação”, explicou em nota. Atualmente, o DF 26,2 mil doses disponíveis — sendo 8,1 mil doses no estoque, 6 mil nos postos de saúde e mais 12,1 mil enviadas pelo Ministério da Saúde. O governo federal repassa mensalmente as vacinas aos estados, que são responsáveis por garantir a vacinação da população.

Leia mais notícias em Cidades

Com o fim dos estoques a vencer em março de 2018, a orientação do Ministério da Saúde é que a vacina continue sendo administrada apenas no público-alvo (9 a 15 anos). As pessoas de 15 a 26 anos que tomarem a primeira dose da vacina HPV neste período terão garantidas as doses subsequentes no SUS. Para essa faixa etária, o esquema vacinal é com três doses, com intervalo de zero, dois e seis meses.

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, destacou, em nota, que a orientação é que as secretarias de Saúde utilizem as vacinas até que durem os estoques. “A recomendação é que os municípios utilizem as vacinas com prazos de validade a expirar, evitando um possível desperdício e dando a oportunidade para que essas outras faixas etárias possam usufruir dos benefícios proporcionados pela vacina”, ressaltou.

Vacina previne contra o câncer

Existem mais de 200 tipos de HPV, sendo que 150 foram cientificamente identificados e sequenciados geneticamente. Entre esses tipos, 14 apenas podem causar lesões precursoras de câncer, como o de colo de útero, garganta ou ânus. Os sintomas normalmente se manifestam após entre dois e oito meses da infecção, ele pode ficar encubado, ou seja, presente no organismo, mas sem se manifestar, por até 20 anos.

O principal sintoma do HPV é o surgimento de verrugas ou lesões na pele, normalmente uma manchinha branca ou acastanhada que coça. Muitas vezes, no entanto, a lesão pode não ser visível a olho nu, aparecendo em exames. “A vacina HPV Quadrivalente é segura, eficaz e é a principal forma de prevenção contra o aparecimento do câncer do colo de útero, quarta maior causa de morte entre as mulheres no Brasil. Nos homens protege contra os cânceres de pênis, orofaringe e ânus. Além disso, previne mais de 98% das verrugas genitais, doença estigmatizante e de difícil tratamento”, ressalta o Ministério da Saúde.

18 milhões

Total de dose aplicadas na população feminina desde o início da vacinação, em 2014, até junho deste ano

7,1 milhões

Quantidade de meninas que receberam o esquema vacinal completo (duas doses) o que corresponde a 59,7% do público-alvo

853 mil

Total de meninos, de janeiro a junho deste ano, que se vacinaram com a primeira dose da vacina de HPV, o que corresponde a 23,6% do público-alvo

3,6 milhões

Quantidade de meninos entre 11 e 13 anos que devem se imunizar